Minha Semana. 22.07.2013. Do meu jeito. O lançamento


O lançamento do CD Do meu Jeito aconteceu no teatro do SESC Pompéia e foi só emoção. Pela primeira vez eu faria um show declamando textos para introduzir algumas canções. Não sei como deixei que meu amigo Rogério Nóia, que além de dirigir o espetáculo ter tido um papel preponderante na finalização da capa do CD, me fizesse acreditar que eu seria capaz de tal façanha. Passei um mês inteiro decorando cerca de três a quatro lindos poemas de sua autoria e de Pedro Paulo Zavagli e declamei todos sem nenhum vacilo ou erro.

A gente quando se joga de cabeça numa coisa assim ou perdeu a noção do perigo ou o bom senso. Até hoje não estou certa de nenhuma coisa ou outra, o fato é que fiz. Comecei, é claro, com um nervosismo tão grande que por conta de tanta responsabilidade não consegui me encontrar no tom da primeira música a ser apresentada. Tive menos de trinta segundos para decidir se dava a volta por cima ou amargaria uma grande frustração em minha carreira. Decidi que o que tinha acabado de acontecer era passado. Aquele era o meu show de lançamento e no que dependesse de mim, ele seria perfeito.

Respirei profundamente e, com ajuda de Edmilson Capelupi que, sempre foi um músico muito presente, prontamente dedilhou-me a melodia me direcionando à tonalidade. A partir da segunda canção eu já não me lembrava do acontecido e tive certeza de que o público também não.

Foi um lindo show, muito especial. Melhor ainda pelas participações de dois grandes amigos e compositores, Ibys Maceioh e Luiz Carlos da Vila que interpretaram comigo cada um as suas composições, Teimosia e Espere um pouco.

Todas essas coisas fazem parte de minha história musical e como em qualquer seguimento a gente vai aprendendo com erros e acertos.

Deixo meu agradecimento à minha amiga Zaira Leite por documentar fotograficamente o show. Valeu Zaira, pelo seu carinho e amizade. Ficaram lindas!

Até a próxima semana pessoal...

Minha Semana. 12.07.2013. Studio 43


Pois é, gravar um CD em dois estúdios, duas cidades, é no mínimo trabalhoso, mas com organização a gente nem sente e as coisas fluem sem atropelos.

Precisávamos de um estúdio em São Paulo que tivesse a mesma característica do Estúdio Copacabana, no Rio, onde começamos as gravações. Aportamos no Studio 43, lá pras bandas do Jaçanã, com as gravações dos sambas finalizados, estávamos prontos para a segunda etapa, trabalhar as canções.

Se para gravar os sambas a gente contou com um astral maravilhoso do pessoal amigo que pintou em visita, para as canções não foi diferente, mas tinha um ingrediente especial a mais, as canções escolhidas eram pura emoção. Tinham, cada uma delas uma razão para estar no CD. Lembro-me que escolhi “Teimosia” de Ibys Maceioh e “Avarandado” de Bene Zambonetti e Roberto de Oliveira como fidelidade aos compositores que já haviam me presenteado com outras músicas tão lindas em Leite Preto. “Sem Companhia” de Ivor Lancellotti e Paulo César Pinheiro é de uma beleza sofrida, quem não viveu a letra de sua poesia, ainda viverá. Eu precisava gravá-la, tem um grande significado para mim, na verdade todas elas, se puder confira tudo isso aqui no Blog em Álbuns/Do meu Jeito.

Até a próxima semana...

Minha Semana. 05.07.2013. Do meu jeito (making of)


Todas as vezes que me refiro a este cd, digo que foi o mais festejado. É fato. Desde a gravação, no lançamento e em todos os shows posteriores, foram vivências incríveis e muita dedicação. Quando iniciamos a sua preparação pensei que seria muito difícil fazer um novo cd que suplantasse Leite Preto, mas depois desencanei, qualquer que fosse o resultado seria bom também, porque a ideia sempre foi fazer o melhor. E eu estava cercada de gente competente: Carlos Renato com seus felizes palpites, apoio e amor incondicionais; Cidinha Zanon com todo seu conhecimento do mundo musicista, abrindo novas portas e espaços na nossa ponte musical São Paulo/Rio e Edmilson Capelupi, novamente parceiraço, cujos arranjos são maravilhosos e de grande sensibilidade. Sempre o admirei neste particular e não imaginaria fazer este novo trabalho sem sua ajuda.

Quando o coração esta aberto e leve, as coisas acontecem normalmente. Com Do meu jeito foi assim. Primeiro, é claro, o repertório, que discutido em todos os pontos restou fifty-fifty inéditas e regravações, sambas e canções. Resolvemos então gravar os sambas no Rio de Janeiro e as canções em São Paulo. Ah! Vocês vão poder checar o astral daqueles dias de gravação no Estúdio Copacabana e depois aqui em São Paulo no Estúdio 43, só gente da melhor qualidade em trânsito! Tudinho registrado em fotos e vídeos.

Foi inesquecível e emocionante a experiência de gravar com as participações dos meus dois mais admiráveis compositores, Luiz Carlos da Vila e Délcio Carvalho; de Dorina e Tia Surica carinhosas no vocal; Claudio Jorge ao violão nas músicas lindas de sua autoria, Reconciliação e Estrela Cadente, esta em parceria com Nei Lopes.

Fora do estúdio, tivemos a recepção carinhosa da saudosa e querida Terezinha, mãe de meu amigo João Paulo Monteiro, que nos hospedou em sua casa no Rio durante o período de gravação.

Foram todos bons momentos, venham comigo e eu vou lhes contando a cada semana…

Minha Semana. 25.06.2013. Em estado de protesto


Quando ouvi o barulho familiar vindo da rua pensei, é mais uma passeata passando sob minha janela. Eram poucos, é verdade, jovens estudantes que de forma barulhenta chamavam a todos que encontravam pelo caminho para se juntarem a eles. Foram subindo, subindo a Avenida Brigadeiro e o som das vozes se distanciando...

Voltei para os meus afazeres e de repente, palavras de ordem novamente. Corro pra minha janela e descubro ser um novo contingente em protesto, também jovens com as reivindicações agora expostas em cartazes e faixas improvisadas. Do sétimo andar consigo identificar alguma coisa: "3,20 é uma vergonha" , "passe livre", etc..., mas estranho por estarem desgarrados, talvez tenham se dividido em categorias. Logo descubro que não pois na sequência um outro grupo um pouco maior vem tomando a Avenida. Nenhum vinha com a proteção do DSV ou viaturas policiais, não, vinham livres, abrindo espaço entre os carros, com motoristas pegos de surpresa sem poderem se desviar e o inevitável acontecendo: o trânsito foi parando involuntariamente até ficar confuso.

Sou experiente no papel de espectadora de passeatas, vi e certamente verei centenas delas passando sob minha janela, mas nesta havia algo diferente. Eu e você descobriríamos depois no desenrolar dos acontecimentos.
Com esse início meio sem jeito aqueles poucos conseguiram ao longo de uma semana ou duas, acordar uma multidão que hoje está se manifestando em passeatas, na discussão do assunto com amigos, familiares, conhecidos e desconhecidos virtuais.

Estamos todos envolvidos nessa explosão da indignação até então contida pois todo mundo sempre soube o que não está bom, não está correto. Esses gritos que demonstram o anseio de uma população que, exigindo mudanças estruturais e de comportamento da nossa representação política, cobram respostas rápidas e positivas. Estamos diante de um povo que viu seu país crescer economicamente e não viu seus representantes preocupados em cuidar do investimento desse lucro em ótimas educação, saúde e lazer na proporção devida para gerar a tão almejada cidadania. Políticos acomodados, corruptos e classistas prestem muita atenção, essas cobranças vieram para ficar até que este Brasil seja o PAÍS onde queremos viver.

Quanto às depredações dos vândalos, energicamente reprovada, nos resta apontá-los para que sejam punidos, pois não vão compreender nunca que mudanças se fazem com firme propósito, perseverança e organização.
Não sei quanto a vocês, mas do meu jeito eu estou em estado de protesto com aqueles que querem profundas mudanças.

Minha Semana. 10.06.2013. Leite Preto. Sua importância na minha carreira.


Pois é, Leite Preto tem sido até hoje uma ótima referência em minha carreira. Quando surgiram as oportunidades de gravar os outros dois CDs mais recentes, teimosamente eu disse a mim mesma que teriam que ser melhores, mas hoje, independente dos resultados, aprendi que não. Eles são um em cada momento e todos são Carmen Queiroz. Com eles consegui aflorar a mesma essência, firmando minha identidade musical. Gosto de pensar que é assim. Vou conseguir lhes explicar melhor quando escrever sobre Do meu jeito e Enquanto eu fizer canção.

Só pra lembrar, são quatro discos de carreira, outro especial e cinco outras participações em CDs de amigos.

Foram muitas apresentações interpretando o repertório de Leite Preto, mas poderiam ter uma soma maior. É, ficamos circunscritos aos espaços que conseguimos abrir e aos que se nos oferecem. Trabalhar com música ainda é assim...

Muitas pessoas foram importantes nessa retomada de gravação para o surgimento de Leite Preto: Carlos Renato sempre parceiro, sempre presente, incentivador e cúmplice; Renata Bucciarelli amiga, fotógrafa, assessora, sempre companheira e fan; Edmilson Capelupi que assumiu a continuidade das rédeas da direção musical que nasceu no estudio e perdurou por longos anos; e também a CPC-UMES representada mais efetivamente por Marcos Vinícius e Cidinha Zanon com sua firme assistência de produção e sendo minha voz junto à gravadora. A vocês, meu obrigado, sempre.

Ficamos por aqui. Assim foi o período Leite Preto. Convido-os a fazer uma turnê pelas galerias de shows no site e conhecerem esses momentos todos de que lhes falei.

Abraço todos vocês.

logo

Carmen Queiroz, é cantora de música popular brasileira, paranaense, radicada em São Paulo. Moldada com as influências de grandes intérpretes da MPB e reconhecida como uma das mais belas vozes do cenário musical brasileiro.
Com uma identidade vocal marcada por um timbre ímpar que mescla bom gosto à sofisticação, busca preservar a memória da música popular, mantendo o diálogo entre o tradicional e o contemporâneo.
Ao longo de sua carreira registra cinco trabalhos fonográficos solos (Flor da Paz, Leite Preto, Do meu jeito, Carmen Queiroz canta Cássio Junqueira, Enquanto Eu Fizer Canção) e participações em cds outros. Todos os seus CDs são distribuídos pela Tratore.

carmenqueiroz00@gmail.com






BUSCA



carmen queiroz

RIGNTONES


Baixe para Android

Baixe, coloque o arquivo mp3 na pasta Ringtones.
Vá em "configurações/som/toque chamada do dispositivo".
selecione o MP3 baixado.

Baixe para iPhone

Baixe o arquivo m4r
Dê 2 cliques para abri-lo no iTunes.
Vá em toques e selecione para sincronizar.
Sincronize seu telefone.
Vá em "configurações/toques".
selecione o ringtone baixado.