Minha Semana. 09.09.2013. Sete dias no Tibete.


Se você me perguntar se era meu sonho conhecer o Tibete, confesso que às vezes me imaginava lá mas não chegava a ser um sonho. Ficava pensando como seria estar num país tão apegado às tradiçoes da filosofia budista, com um povo de costumes diferentes... E do nada veio um convite para partilhar uma viagem até lá, não pensei duas vezes.

Já nas terras dos himalaias me policiei muito para não procurar o Tibete das reportagens de tv, o Tibete transcendental, pois fatalmente me decepcionaria. Olhei para a realidade crua e nua de um povo que me pareceu perdido entre a transiçao da modernidade trazida e, quero crer, imposta pelo governo chinês e a força da religiosidade budista, entranhada nos muitos mosteiros e monastérios visitados, orgulhosamente mostrada nas bandeirinhas coloridas com as cores nacional, expostas no alto do telhado das casas tipicamente tibetanas, na área rural.

A mim me encantou muito a natureza ainda quase toda intacta e preservada daquela topografia ímpar composta por montanhas e mais montanhas, rios que desciam livres e um céu azul que se salpicava de estrelas ao anoitecer. Me encantaram as vestes das mulheres que teimam em manter a tradição com suas saias escuras e longas e combinadas com a sobreposição de um avental listrado e colorido.

Não faço exatamente um depoimento, aqui pincelo minhas superficiais impressões pois foram apenas sete dias e é preciso ficar mais tempo para saber mais e entender...